Videos, livros e revistas

Regras, sugestões, críticas, pedidos de ajuda dos utilizadores e informação sobre o Portugal Ferroviário. Espaço para produções dos utilizadores do fórum, ligações, livros, etc.
Avatar do Utilizador
Paulo Mestre
Participante
Mensagens: 1058
Registado: 02 Jan 2009, 18:15

Jose Sousa Escreveu:No dia do almoço, podíamos ver 'O' vídeo naquele dormitório... :2funny:
Respeitinho, que o dormitório é uma xafarica asseada :drinks: :P

PM
jm12
Participante
Mensagens: 30
Registado: 15 Mar 2009, 16:31

Por acaso já tinha mandado vir e é RECOMENDADO. :P
(então as 1800 em Reguengos é demais) :cheesy:
Avatar do Utilizador
trainmaniac
Participante
Mensagens: 12690
Registado: 28 Dez 2008, 20:16
Localização: Lisboa, Portugal
Contacto:

Já tenho os DVDs comigo.
Vou entrar em contacto com a malta que o quis, para combinar a entrega e o pagamento. ;) ;)
Imagem
Avatar do Utilizador
Nuno Morão
Participante
Mensagens: 2428
Registado: 31 Dez 2008, 13:37
Localização: Lisboa
Contacto:

Boa.
Transf. efectuada, depois combinamos a entrega.
Imagem
Nuno MorãoRolaria, pasta e papel.
Avatar do Utilizador
Paulo Mestre
Participante
Mensagens: 1058
Registado: 02 Jan 2009, 18:15

Fixe :)
Avatar do Utilizador
Nuno Morão
Participante
Mensagens: 2428
Registado: 31 Dez 2008, 13:37
Localização: Lisboa
Contacto:

A loja neste momento está em renovação, mas a repescagem serve sobretudo para deixar aqui uns "desabafos" sobre o DVD em questão:

Dupla de 1320 com um Somincor. :estrelas:
Balastreiro com 1900 a sair de Torre da Gadanha, com neve. :estrelas: :estrelas:
Tripla de 1900 com 25 Uaoos (não me f....)
:estrelas: :estrelas: :estrelas:

E bom, tudo o mais: comboios de passageiros compridos, com pessoal às janelas e sentados nas portas (abertas – que saudades).
Autoeuropas com 1800 e 1900, estações e vias não renovadas, etc., etc., etc....
Ahhhhhhhhh...
Imagem
Nuno MorãoRolaria, pasta e papel.
Avatar do Utilizador
Pedro André
Moderador Global
Mensagens: 16495
Registado: 31 Dez 2008, 15:00
Localização: São Brás de Alportel

O documentário "Páre, Escute, Olhe" (2009), do realizador Jorge Pelicano, que estreia domingo no festival Doclisboa, constitui "uma reflexão sobre o despovoamento e desertificação" provocados pelo encerramento progressivo da linha ferroviária do Tua, em Bragança.


Concluído este ano, o filme do mesmo realizador do premiado documentário "Ainda há Pastores?" (2005) estreia domingo, às 23:00, na sala 2 do Cinema Londres, em Lisboa, inserido na VII edição do Doclisboa - Festival Internacional de Cinema, e a exibição repete-se na segunda-feira, dia 19 de Outubro, pelas 18:30, no Grande Auditório da Culturgest.

Seleccionado para a competição nacional do festival, "Páre, Escute, Olhe" tem como objectivo "pôr o tema do Tua na ordem do dia" porque "o documentário pode ser uma arma que mostra as situações que não estão na ordem do dia, para que as pessoas reflictam sobre elas", disse à Agência Lusa o realizador.

O rio Tua nasce a cerca de dois quilómetros acima da cidade de Mirandela, na junção dos rios Rabaçal e Tuela, e a linha ferroviária do Tua ligava inicialmente a foz à cidade de Bragança.

A ligação entre Bragança e Mirandela foi desactivada em Dezembro de 1991, e o realizador quis mostrar como "essa sentença acentuou as assimetrias entre o litoral e o interior de Portugal".

O documentário mostra as sucessivas promessas políticas para o apoio ao desenvolvimento da região, o mau estado da linha ferroviária, os acidentes, e a vida das populações locais servidas pelo centenário caminho-de-ferro.

Para Jorge Pelicano, este filme é "uma metáfora" para o despovoamento e a desertificação do interior do país: "As linhas são encerradas porque as pessoas se vão embora".

"Eu também queria mostrar a incúria de que foi alvo a linha do Tua ao longo dos últimos 20, 30 anos por parte dos responsáveis políticos e os responsáveis pelas empresas que a gerem. Encontrámos a linha em muito mau estado, e daí os quatro acidentes nos últimos dois anos, que provocaram mortos".

O filme está dividido em duas partes: a primeira sobre a situação da parte desactivada da linha, entre Bragança e Mirandela, com a visível degradação do troço, o abandono, a pobreza dos poucos habitantes que vão ficando.

A segunda revela o quotidiano do troço ainda activo, entre Carvalhais, Mirandela e Cachão, cujas populações usam o transporte ferroviário para ir trabalhar, fazer compras, ir ao médico, manifestando-se no filme contra o seu encerramento.

"Fiz este documentário com espírito de missão e espero que a situação seja reavaliada porque é um crime acabar com aquele património histórico", criticou o realizador, acrescentando que a decisão mais recente do governo em construir a barragem Foz Tua "vai acabar de vez com a linha".

Para o realizador, é muito significativo mostrar este filme no Doclisboa porque "é um festival importante e com muita visibilidade para passar este apelo à reflexão sobre o futuro do país".

http://www.destak.pt/artigo/43008
Jorge Pelicano :clap2:
Imagem
Pedro Mêda
Participante
Mensagens: 1475
Registado: 31 Dez 2008, 09:59

Saiu nova publicação sobre a temática ferroviária:

História do Caminho-de-Ferro

Tamanho: 21,5x28,5cm
Código: 72207
ISBN: 978-972-770

http://www.platanoeditora.pt/files/BOOK ... 5_MAIN.jpg

NOTA Pessoal: A nível gráfico está como os outros (fotografias pixelizadas, etc...), o texto ainda não vi.
Avatar do Utilizador
trainspotter
Participante
Mensagens: 10
Registado: 03 Mai 2009, 02:22

A propósito desta notícia, deixo uma questão que ando há algum tempo para colocar: que literatura ferroviária portuguesa recomendam?

De vez em quando deparo-me com algum material, mas ainda não arrisquei fazer nenhuma compra.
Avatar do Utilizador
Nuno Morão
Participante
Mensagens: 2428
Registado: 31 Dez 2008, 13:37
Localização: Lisboa
Contacto:

Não há assim tantos títulos...
Eu, que sou um bibliófilo, compro tudo o que encontro, excepto, por enquanto, a maior parte das edições da CP e REFER — que são caras como o raio. :swear:
Imagem
Nuno MorãoRolaria, pasta e papel.
Responder