Anísio Nelson - Carruagem azul U-HANSA da CP

Criações e transformações pessoais
farripas
Participante
Mensagens: 331
Registado: 27 Abr 2011, 16:54

10 Nov 2017, 20:39

Caros amigos forenses

Continuando o nosso trabalho, hoje mostro-vos o trabalhos feito no tecto após o primário.
Na carruagem real o tecto é formado por placas metálicas soldadas. Se tiverem oportunidade de pesquisarem fotos onde se pode ver bem o tecto vão reparar nas soldas.
Pois nós tentamos imitar essa natureza usando uma peça metálica muito afiada e provocando pequenos sulcos no plástico do tecto (Fotos 47, 48, 49 e 50).
Já agora para os meus amigos que não seguiram este projecto pela revista Maquetren, e que queiram executar estes mesmos sulcos, vou-vos dar as medidas, em mm, que devem seguir começando num dos lados do tecto. Elas são: 4; 5; 16; 13; 12 x 17,5; 13; 16; 5 e 4.
Depois dos sulcos feitos passamos uma lixa muito fina de forma a tirarmos os excessos de plástico que ficam após a passagem do elemento metálico.
Nesta altura e como practicamente a carruagem estava pronta, no que toca a transformação, resolvemos aplicar o primário na plataforma da carruagem (Fotos 49 e 50). Mas antes disso ainda resolvemos colocar quatro pequenas argolas de cada lado da plataforma a imitar as mesmas da carruagem real e que servem para elevar a mesma em caso de necessidade. Isso pode ser visto nestas ultimas fotos, por baixo do chassis.
Finalmente a pintura final do tecto, no nosso caso, com XF2 da Tamiya, na foto 51. Após secagem demos-lhe uma passagem com verniz MicroSatin da MicroScale.
E aqui as coisas começam a aparecer.

cumprimentos
Anísio Nelson (Farripas)
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
farripas
Participante
Mensagens: 331
Registado: 27 Abr 2011, 16:54

12 Nov 2017, 18:12

Caríssimos

Hoje mostro-vos apenas o resultado final da aplicação dos bogies fornecidos pelo Marco Carrilho nos originais da carruagem que recebemos.
Ter em atenção que os bogies fornecidos pelo Roco, no nosso caso, incluem uma peça que alberga os travões metálicos, ou seja, aqueles que travavam nas próprias rodas das carruagens. Ora esta possui travões de disco, internos, pelo que a tal peça não é para incluir.
O trabalho que fizemos foi desbastar as partes laterais e depois lixá-las, num plano totalmente liso, até ficarmos com uma espessura da ordem do 1 mm a 1,5 mm.
Os laterais do Carrilho foram tratados, pois a moldagem deixa sempre alguns excessos e posteriormente colados aos bogies que anteriormente tínhamos trabalhado. No nosso caso usamos Araldite de dois componentes para efectuarmos essa colagem.
Após tudo seco, lavamos muito bem, primário para cima deles, preto fosco da Tamiya (XF1) e finalmente verniz da MicroScale mat.

Cumprimentos
Anísio Nelson (Farripas)
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
Alco1966
Participante
Mensagens: 111
Registado: 28 Jul 2010, 13:28

15 Nov 2017, 17:57

:shok: :shok: :shok: :afro: :afro: :afro:

Obrigado pela partilha

Mário Fernandes
farripas
Participante
Mensagens: 331
Registado: 27 Abr 2011, 16:54

19 Nov 2017, 19:37

Caros amigos forenses.

Hoje mostro-vos o que foi feito no interior da carruagem.
Como na realidade, esta carruagem destina-se ás dormidas dos passageiros. Assim resolvemos introduzir algumas camas com pessoal a dormir e ainda algum no corredor.
Através de algumas fotos verificamos a cor e o formato das colchas usadas nas camas e tentamos fazer algo parecido.
Todas foram pintadas de roxo e posteriormente, usando um palito muito afiado, tentamos colocar pequenos pontos de cinzento. Esta intervenção foi feita não só nas camas que já vinham na carruagem como nas que viemos a colocar posteriormente.
Espero que gostem.

Cumprimentos
Anísio Nelson (Farripas)
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
Avatar do Utilizador
rui ferreira
Participante
Mensagens: 585
Registado: 11 Out 2010, 11:30
Localização: Caldas da Rainha

21 Nov 2017, 10:13

:afro: :afro:
Excelente trabalho.
Rui Ferreira
Linha do Oeste
PK 105.014
Avatar do Utilizador
Bernas91
Participante
Mensagens: 200
Registado: 11 Mai 2012, 14:31
Localização: Leça da Palmeira
Contacto:

23 Nov 2017, 18:02

Bestial :P :afro:
farripas
Participante
Mensagens: 331
Registado: 27 Abr 2011, 16:54

23 Nov 2017, 22:14

Caros amigos forenses.

Hoje ia explicar-vos o que tínhamos feito na carruagem quando fui surpreendido com um novo look deste forum.
Á 1ª vista senti alguma dificuldade mas vamos em frente e veremos o que nos espera.
Desta vez vou-vos mostrar aquilo que para nós foi uma das maiores dificuldade, o acerto da côr da carruagem. Por aquilo que o Marco Carrilho afirma, não sou nada entendido nesta matéria, a côr desta carruagem é o RAL 5011 e que no que toca a modelismo, népias. Solução, várias tentativas tendo como base um dos muitos azuis que as marcas de tintas para modelismo possuem. Neste aspecto tive a sorte de o meu amigo, que estava a fazer a mesma carruagem, ser um expert em matéria colorida. Ele trabalha numa gráfica, precisamente na zona das tintas. Sorte a minha.
Mas vamos ao que interessa. Vou explicar aos meus amigos forenses aquilo que fizemos, mas tendo em conta que as tintas por nós utilizadas foram da marca Tamiya (á parte a publicidade). Qualquer conversão para outras tintas de outras marcas serão da vossa responsabilidade (é o que costuma dizer-se em publicidade).
Assim, nós iniciamos as nossas tentativas tendo como base o XF-8 da Tamiya (e foram muitas). Depois fomos misturando outras cores até conseguirmos um tom, que para o meu amigo era o mais aproximado ao que nós conseguimos verificar nas fotos do modelo real.
Então e usando um método mais arcaico (nada de percentagens) a nossa mistura (não confundir com a gasolina) era feita com as seguintes quantidades: Azul (XF-8) = 40 gotas; Branco (XF-2) = 5 gotas; Amarelo (XF-3) = 1 gota.
Resultado final, o mostrado nas fotos seguintes aplicado no chassis da carruagem. Nestas já se vêm também os decalques a serem colocados, usando o método de mergulho em água e posterior colocação em cima de Microset e Microsol.
Vamos mostrando a evolução.

Cumprimentos
Anísio Nelson (Farripas)
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
Manuel Fontoura
Participante
Mensagens: 10
Registado: 27 Fev 2017, 09:17

24 Nov 2017, 10:10

Fantástico. Parabéns pelo excelente trabalho.
Avatar do Utilizador
alcos
Participante
Mensagens: 607
Registado: 31 Dez 2008, 16:45

25 Nov 2017, 19:46

Magnifico trabalho de modelismo que é aqui apresentado, não só o trabalho como a "trabalheira" de ir tirando fotos decentes e ir mostrando a evolução!!! :afro:
Sobre a "cor" do animal, atenção a um pormenor importante: a cor nunca é a mesma ao longo dos tempos, quando a carruagem real foi acabada de pintar, tinha um certo tom, com o tempo, esse tom vai sendo alterado, digo isto para não tentar acertar como o dito a "100%", pois para isso terá que representar o modelo acabado de sair de revisão, o que olhando depois para fotos com algum tempo (anos) parece que não ficou bem pintado!!!
De "origem" quando chegaram a Portugal era um tom claramente mais escuro, depois com o sol ficou bem mais claro.
Para acabar esta "longa lenga-lenga", é importante escolher a altura que quer representar o modelo, mais antigo, mais escuro, e final de vida, mais claro.
Continuação desse belo trabalho. ;)
Cump.
Rui
farripas
Participante
Mensagens: 331
Registado: 27 Abr 2011, 16:54

25 Nov 2017, 22:10

Caros amigos.

Relativamente á cor, é tudo verdade o que foi dito anteriormente.Mas nós tentamos levá-la ao tal RAL 5011, ou seja, uma carruagem limpinha.
Antes de entrar propriamente na descrição do modelo, quero aqui salientar um trabalho que tivemos e que nos fez passar da cabeça, OS VIDROS DAS JANELAS. Nas explicações dadas na Revista Maquetren, eles usaram folha transparente para colarem no interior da carruagem. Acontece que o chassis deste modelo da Roco possui umas pequenas garras que ao serem forçadas para o interior da carruagem, acabam por agarrar no plástico dos vidros (em local próprio) e seguram bastante bem o conjunto. No caso da revista, eles tiveram que andar a inventar umas tiras de Evergreen de forma a que as tais garras segurassem o chassis. Achamos desnecessário todo esse trabalho pois, após algum estudo, verificamos o seguinte: do lado dos compartimentos só tinhamos que cortar os vidros das portas e das janelas bipartidas mais pequenas; desses íamos usar os vidros das portas e colá-los nas tais janelas mais pequenas; no lado do corredor, o trabalho era semelhante, á excepção de alguns vidros no meio da carruagem que não são partidos, são vidros inteiros. Aqui foi feito um trabalho de mestre.
Vou tentar explicar o que fizemos nestas janelas. Elas não são planas, possuem um pequeno degrau a meio que tivemos que retirar. Então esse trabalho consistiu no seguinte: passagem nesses vidros de uma lima muito fina, chamada folha de carvalho, até a zona da janela mais alta ficar ao mesmo nível da outra parte; em seguida passagem de lixa de água 1.000; depois o mesmo procedimento com lixa 2.000; após isso lixa 6.000. Nesta altura já quase os vidros estão transparentes, mas mesmo assim finalizamos o processo com os três produtos da Tamiya , Compound (Coarse, Fine e Finish). O resultado foi surpreendente, ficou mesmo como vidro limpo e translúcido. Verão o resultado vendo as nossas fotos.
Hoje vou abrir um pouco do resultado final. Apresento-vos a carcaça já pintada, os led's nos seus sítios, os respectivos aros colocados (usamos Micro Kristal Klear para colarmos as peças do Rafael Sanchez), os foles inseridos, a placa da plataforma de passagem entre carruagens já pintada e colocada, os famosos vidros já postos, parte dos decalques do Marco Carrilho, alguns aros das janelas também colocados e no meu caso todas as ligações eléctricas para alimentar os farolins traseiros (no caso do meu amigo, ele usou digital).
Espero que as explicações sejam explícitas.

Cumprimentos
Anísio Nelson (Farripas)
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
Última edição por farripas em 26 Nov 2017, 16:01, editado 2 vezes no total.
Responder